Filha de um Pai Perfeito





O Dia dos Pais se aproxima e me veio ao coração falar para você, que não gosta dessa data, que fica abatido quando chega esse dia.

Não sei por qual motivo o Dia dos Pais não lhe traz boas lembranças. Talvez você tenha perdido seu pai muito cedo e essa dor te machuca até hoje, e mais ainda ao se aproximar desta data especial. Ou, quem sabe, você seja parte das milhares de famílias brasileiras formadas apenas pela mãe e seus filhos, cujo pai os abandonou, seja porque não segurou a onda de ser responsável por outras vidas, ou simplesmente porque conheceu alguém que o fez esquecer, não apenas da esposa, mas dos filhos também.

Pode ser, ainda, que você seja parte de tantas outras milhares de famílias aparentemente normais, nas quais o abandono paterno não é físico, mas emocional. Enfim, não sei se você é órfão de pai morto ou de pai vivo, mas é com você que eu quero falar hoje.

Não sei se você crê na Bíblia ou no Deus que a Bíblia revela, mas nela está escrito que a família foi algo planejado por Deus para dar muito certo. Ele incumbiu o homem da missão de amar a sua família e protegê-la. À mulher, Ele atribuiu a missão de ajudar o homem no cuidado da sua família

Mas há muito tempo que essas funções não têm sido cumpridas, tanto pelos homens quanto pelas mulheres, mas eu diria, sem medo de errar, que os homens têm falhado significativamente mais do que as mulheres no cumprimento de sua missão com a família.

Então, primeiramente eu gostaria de dizer algo a você: o modelo distorcido de família que você pode ter conhecido não é o padrão estabelecido por Deus. O desejo de Deus para a família é que ela seja um lugar de segurança, amor, cuidado e respeito. 

"Portanto, cada um de vocês também ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher trate o marido com todo o respeito". (Efésios 5:33)

"Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo". (Efésios 6:1)

"Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor". (Efésios 6:4)

Mas, apesar de todas as instruções da Palavra de Deus sobre a vida em família, as pessoas têm se deixado seduzir pelos enganos deste mundo e isso tem deixado muitas sequelas nas famílias. Uma das principais, ao meu sentir, é a ausência do pai, seja física ou emocional. A figura do pai ausente ou negligente é algo tão comum e aceito nos dias de hoje que, numa discussão nacional a respeito da descriminalização do aborto, por exemplo, não se menciona, em praticamente nenhum debate pró-vida, a responsabilidade dos pais dos bebês mortos pelo aborto. Há muito tempo a sociedade tolera o abandono paterno, e tem pago alto preço por consentir com essa prática que tem causado profundo desequilíbrio emocional na vida de tantas pessoas.

E o que tem acontecido é muito grave, não apenas pelo desajuste emocional que a falta do pai gera nos filhos, mas porque tal situação reflete diretamente na visão que as pessoas têm a respeito de Deus.

Eu acredito que os pais são os principais responsáveis por transmitir aos filhos a verdade sobre o caráter de Deus. Isso porque, antes mesmo que tenhamos qualquer noção de um Ser Eterno e Superior, nossos pais são os nossos primeiros objetos de amor e devoção e também são as primeiras autoridades sobre nós.



Penso que, no exercício da maternidade e da paternidade, temos o poder de revelar aos filhos quem Deus é. Se formos compassivos e amáveis, estaremos apresentando aos nossos filhos um Deus misericordioso e amoroso. Se, ao contrário, formos impacientes e grosseiros com os filhos, é muito provável que, inconscientemente, seja criada na mente deles a imagem de um Deus irado e incompassivo. 

Quando o pai é distante, ausente, negligente, acabamos por formar em nossa mente uma visão deturpada sobre Deus e achamos que Ele também é assim. Não sou psicóloga nem pesquisadora dessa área, mas, observando a minha experiência e a de pessoas que conheci ao longo da vida, percebi que pessoas cujo relacionamento com o pai é problemático têm dificuldade em se relacionar com Deus de forma plena e experimentar a paternidade de Deus.

Se isso acontece com você, eu não tenho aqui uma receita pronta para fazer desaparecer as suas feridas emocionais. Mas há algo que preciso compartilhar: Deus não é como seu pai! Você tem um pai excelente? Glorifique a Deus por isso, mas saiba que Deus é ainda melhor que o seu pai. Seu pai é negligente? Deus é um Pai presente, que está contigo em todos os momentos e pronto para te ouvir e ajudar em todas as situações. Seu pai está morto? Deus é um Pai vivo e real, que deseja preencher o seu coração com Seu amor e graça e preencher o vazio que essa perda deixou em sua alma.

Para alguns de nós, não há solução rápida e pronta para os problemas de relacionamento com o pai. Na maioria das vezes, o que podemos fazer é perdoar e receber a cura que o perdão traz, mas nem sempre conseguimos restabelecer os afetos que foram perdidos após anos de abandono ou abuso.

E então, ainda que você, em obediência ao Senhor, libere o perdão e honre seu pai apesar do abandono sofrido no passado, você continua sendo alguém que não tem um pai presente, companheiro e amigo. E, em alguns casos, essa realidade não vai mudar. Mas você não precisa permanecer órfão!

Você pode, sim, ter um pai amoroso, bondoso, amigo. Deus é esse Pai que você tanto precisa. Você deve, agora mesmo, começar um relacionamento pessoal com Deus, pois Ele é um Pai perfeito, infalível, que tem o melhor para os Seus filhos.

"'Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês', diz o Senhor, 'planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro'". (Jeremias 29:11)

"Ainda que me abandonem pai e mãe, o Senhor me acolherá". (Salmos 27:10)




Deus nos ama tanto que entregou seu Filho Unigênito, para morrer em nosso lugar, para que, através da fé em Jesus Cristo, fôssemos feitos filhos de Deus.

Quando o homem decidiu desobedecer ao Criador, a aliança de Deus com a humanidade foi quebrada, através do pecado original. Somente o sacrifício de Jesus Cristo nos restaura à condição de filhos de Deus, mas, para isso, precisamos crer em Jesus e reconhecê-lo como nosso Senhor e Salvador (João 1:12).

Em Gálatas 4:4-7, vemos que, devido ao sacrifício de Jesus, não somos mais escravos do pecado, mas somos filhos de Deus e também Seus herdeiros:

"Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei, a fim de redimir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a adoção de filhos.
E, porque vocês são filhos, Deus enviou o Espírito de seu Filho aos seus corações, o qual clama: 'Aba, Pai'.
Assim, você já não é mais escravo, mas filho; e, por ser filho, Deus também o tornou herdeiro".(Gálatas 4:4-7)

Se você crer que Jesus é o filho de Deus, que morreu pelos pecados da humanidade, e reconhece que necessita de um Salvador, para que sua aliança com Deus seja restabelecida, então, você será chamado filho de Deus e terá direito a todas as promessas que Ele tem para os Seus filhos.

Portanto, independentemente de como é o seu pai biológico, ou aquele que te criou, saiba que existe um Pai especial, perfeito em amor, que deseja se relacionar com você de forma pessoal, de maneira paternal. ´

Se há traumas e feridas no seu relacionamento com seu pai terreno, não permita que essas marcas te impeçam de enxergar o Pai de amor e bondade que Deus é, aquele que te faz andar em novidade de vida e que todos os dias te dá uma nova chance de acertar e de crescer como filho e como discípulo.

Lembre-se: você é filho de um Pai perfeito!

Que a paz do Senhor inunde seu coração neste dia.


Bruna Monastirski
Discípula de Jesus Cristo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SER CHEIO DO ESPÍRITO SANTO? Parte 1

O Que Significa "aceitar Jesus"?

A Parábola do Semeador Parte 3: O solo à beira do caminho