COM EMOÇÃO OU SEM EMOÇÃO?


 


 

Dia desses, na mesa do jantar, Klayson e eu contávamos histórias sobre o tempo de namoro e outras sobre o início do casamento.

Helena olhou pra mim e perguntou: “Nossa, vocês não têm histórias mais emocionantes para contar não?”

Aquela pergunta me desmontou, por uns instantes. “Como assim???" Retruquei. "Quem é você para dizer que minha vida é sem graça?” Pensei.

Rapidamente, dei uma resposta àquela “afronta” em forma de pergunta (embora não tenha sido essa sua intenção, foi como me senti).

E disse, com um sorriso de canto de boca: “é que a parte emocionante a gente não conta pra vocês”. 

Elas riram rsrs. 

Quer dizer, Helena riu. Julya fez uma cara de “mãe, não começa de novo com esse assunto!”.

A verdade é que nem eu me convenci com a resposta que dei, e fiquei realmente incomodada com a impressão de Helena a meu respeito. E me perguntei se a minha vida não andava tão séria e chata a ponto de fazê-la pensar daquela maneira.

Bem, há uma ressalva necessária: não sei por qual razão, mas a maioria das pessoas acha que eu passo 24 horas por dia séria, que não conto piada, não rio de piadas, não me irrito, não perco a paciência. 

Não sei exatamente por quê, mas diz a lenda que eu não sou de carne e osso. É como se eu fosse a Monalisa presa num quadro, cuja respeitabilidade não lhe permite mais que um discreto sorriso.


undefined

É verdade que eu não sou de muitos sorrisos, nem piadas, nem sou efusiva nas minhas emoções, especialmente com os de fora. Mas, espera aí, minha filha achando isso de mim? Logo ela, que me vê nos meus momentos mais espontâneos e engraçados?

Não admito! Isso tem que mudar...

Mas, para que isso aconteça, eu preciso mudar. Preciso ser mais transparente, e me permitir ser quem eu sou, especialmente na presença dos meus. Tenho que rir mais, brincar mais, admitir mais os meus erros, pedir mais desculpas, expressar meus sentimentos, beijar mais...

Enfim, há uma mudança de rota que precisa ser iniciada. Eu reconheci isso e comecei caminhar nessa nova direção...

Mas essa não foi a única reflexão surgida da frutuosa conversa ao redor da mesa.

Bem, quando minha filha define minha vida amorosa como "sem grandes emoções", há outra questão de fundo muito importante:

Que tipo de ideia tem sido vendida culturalmente sobre o relacionamento amoroso, que foi absorvida pela mente de Helena?

O que a faz achar que um casal comum, com histórias comuns para contar, vive uma história sem graça?

Que uma vida pacata e comum talvez não seja sinônimo de uma vida feliz?

A resposta é até simples:

Costumamos idealizar uma vida a dois repleta de eventos extraordinários, flores, jantares, declarações públicas, festas, surpresas, presentes.

Compramos essa ideia, vendida pelos contos de fadas, novelas, séries de TV e filmes hollywoodianos.

Queremos viver amores intensos e cheios de emoção, de tirar o fôlego.


Não é que isso seja ruim. Ao contrário! É bom e faz parte! Doses terapêuticas de um amor exagerado, quem não gosta!?

Mas, na verdade, a vida real de um casal é construída de coisas triviais, que, apesar de ordinárias, sustentam e dão vida aos relacionamentos felizes e duradouros.

Eu aprecio receber demonstrações mais intensas de amor, sim!

Mas o meu casamento não se sustenta dessas demonstrações. Ele se alimenta das coisas comuns e cresce por causa delas.

As coisas extraordinárias são como o acabamento de um edifício, que serve para embelezar, e tornar mais agradável, mas seria inútil se não houvesse alicerce, paredes, teto, colunas, vigas, etc.

As grandes emoções fazem parte da vida a dois, como uma sobremesa que comemos após o almoço do sábado, que gera uma chuva de dopamina, endorfina e outras "inas".

Mas a verdadeira nutrição vem do feijão com arroz de todo dia, do cuidado com o outro, da mesa do café arrumada por quem saiu mais cedo, da massagem nos pés de quem está mais cansado, do abraço acolhedor ao chegar em casa após um dia cheio.

O sentimento de pertencimento é gerado nessas pequenas coisas.

E não há nada que emocione mais do que a certeza de pertencer a alguém! 

Nenhuma descrição de foto disponível. 

 

 Bruna Monastirski

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SER CHEIO DO ESPÍRITO SANTO? Parte 1

O Que Significa "aceitar Jesus"?

A Parábola do Semeador Parte 3: O solo à beira do caminho