Casais com Propósito- reflexões inspiradas no livro "A Fé Começa em Casa"

Qual é a melhor idade para se casar? Ciência responde - Planeta

    Há alguns anos, li um livro cujo título é bastante sugestivo:  A FÉ COMEÇA EM CASA, de Kurt Bruner e Steve Stroope. O subtítulo define o que essa obra é : um guia prático para orientar seus filhos no caminho da fé.

    Lembro-me de ter sido impactada pela leitura, ao mesmo tempo em que fui encorajada a fazer do meu lar um lugar de vivência do cristianismo na prática. 

    Recentemente, reli alguns capítulos para preparar uma ministração sobre família.  Novamente, as palavras dos autores foram, em alguns momentos, socos no estômago para mim. E me fizeram lembrar do meu desejo, lá no passado, de ser intencional na propagação do Evangelho na vida dos meus filhos.

    O livro traz alguns dados alarmantes: 

1. mais da metade das crianças que foram criadas dentro das igrejas provavelmente abandonará a fé quando chegar à vida adulta;

2.  apenas 17% dos adultos se tornam mais ativos religiosamente do que foram quando adolescentes, enquanto 55% se afastam ativamente da fé (Souls in Transition).

    Ao ler essa triste estatística, não pude deixar de pensar em que parcela dos números meus filhos estarão, se amando e servindo a Deus, desfrutando de Sua paternidade ou distantes dEle,  contentando-se com as lavagens dos porcos, que tanto há disponível no mundo sem Deus.

    Lembrei-me de uma pregação que ouvi certa vez em que o pastor dizia, a uma mãe desesperançosa, cujo filho se afastara de Deus: - mas pastor, esse menino foi criado na igreja, dentro da igreja! Ao que o pastor respondia: - Aí está o erro! Ele deveria ter sido criado em casa!

    Para os autores do livro A Fé Começa em Casa, a melhor estratégia para mudar essa realidade em que pessoas criadas em lares cristãos se desviam da fé quando chegam à juventude e idade adulta é  fortalecer a espiritualidade dentro dos lares.

    As crianças produzem suas mais profundas impressões acerca do Evangelho a partir da imagem que constroem da relação entre seus pais.

    Nossos lares são o principal cenário para incutirmos fé na próxima geração e, para edificarmos um lar saudável, é necessário vivermos um casamento bem sucedido.

    E foi nesse ponto da leitura que entendi que antes de falar de criação de filhos, era preciso falar sobre casamento.  Um casamento bem sucedido tem muito potencial para gerar filhos emocionalmente e espiritualmente saudáveis. 

    Mas o que é um casamento de sucesso? 

    Essa pergunta pode ter diversas respostas. Alguns podem dizer que casamento de sucesso é aquele em que ambos os cônjuges são independentes financeiramente, em que o casal possui casa própria, ou ainda, viaja regularmente, tem uma vida social agitada, etc. 

    Para os autores do livro,  uma resposta adequada a essa pergunta só será possível se entendermos como definimos o sucesso de alguma coisa.

    O sucesso de uma caneta é escrever.

    O sucesso de uma garrafa térmica é manter a temperatura dos líquidos.

    Identificamos o sucesso das coisas quando elas cumprem o seu propósito. Fazem o que foram criadas para fazer.

    No capítulo 5 do livro de Efésios,  temos algumas pistas a respeito do que Deus estava pensando quando criou o casamento:

"Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que é o seu corpo, do qual ele é o Salvador.

Assim como a igreja está sujeita a Cristo, também as mulheres estejam em tudo sujeitas a seus maridos. 

Maridos, ame cada um a sua mulher, assim como Cristo amou a igreja e entregou-se por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra, e para apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável. 

Da mesma forma, os maridos devem amar cada um a sua mulher como a seu próprio corpo. 

Quem ama sua mulher, ama a si mesmo. Além do mais, ninguém jamais odiou o seu próprio corpo , antes o alimenta e dele cuida, como também Cristo faz com a igreja,pois somos membros do seu corpo. 

Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne.

Este é um mistério profundo; refiro-me, porém, a Cristo e à igreja.

Portanto, cada um de vocês também ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher trate o marido com todo o respeito." (Ef. 5:22-33)

    O casamento, tal como foi pensado por Deus, é mais do que o relacionamento de duas pessoas buscando a felicidade. 

    É uma união que pretende apontar para a união entre Deus e Seu povo, entre Cristo e Sua igreja.

 As Bodas do Cordeiro - Pregações e Estudos Bíblicos

    Todo casamento tem como propósito ser um retrato do casamento entre Cristo e a igreja e serve como fundamento para a eficácia da propagação da fé cristã na próxima geração.

    Alguém criado num lar onde o amor e a honra são valores fundamentais compreenderá com naturalidade o amor sacrificial de Deus pela igreja. O contrário, ou seja, pessoas criadas em lares que não refletem o amor de Deus, terão dificuldade em compreender os conceitos de amor sacrificial e honra/submissão, pois serão para ele conceitos abstratos.

    Um casamento disfuncional distorce a imagem do Deus amoroso que entrega Sua vida pela noiva (a igreja) e de uma noiva pura que honra, exalta e se submete a Deus.

    Assim, vemos o quanto é importante investir no casamento para formarmos uma geração de filhos que amem e honrem a Deus e que saibam o quanto são amados por Ele.

  "Em outras palavras, seu casamento é muito, muito mais do que um casal feliz. Ele servirá para mostrar à próxima geração a realidade do Evangelho!" (BURNER e STROOPE, 2011, p.50).


Que Deus os abençoe.

Bruna Monastirski

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO SER CHEIO DO ESPÍRITO SANTO? Parte 1

O Que Significa "aceitar Jesus"?

A Parábola do Semeador Parte 3: O solo à beira do caminho